O vitorioso legado de Rui Rio

Rui Moreira ganhou a Câmara do Porto com 40% dos votos. É alguém que, apesar da sua participação na vida pública, não tem qualquer experiência política no currículo. No Domingo defrontou nas urnas um ex-secretário de Estado e um autarca batidíssimo e ex-líder do maior partido da Direita. Cada um teve metade dos votos de Moreira. Explicou-se o fenómeno pela redenção democrática dos ‘independentes’, pelo voto de protesto contra o governo de Passos Coelho, pelo FCP e pelo fim do mundo. Nada disso (ou talvez a última hipótese): Rui Moreira foi o candidato anti-Menezes e isso ditou todo o resultado. Muito graças à agoniante campanha do porco assado e dos tesourinhos autárquicos com que o candidato de Gaia nos brindava diariamente, mas, sobretudo, por um factor crucial e da maior significância política — a sua ininteligibilidade imediata é prova de como está já bem incorporado nas expectativas do eleitorado portuense: o legado de Rui Rio.

Houve um ponto de viragem — de rotunda viragem — nestas eleições. Rui Rio, numa entrevista à RTP em Julho, optou (e bem) por não expressar o seu apoio a um candidato. Antes, identificou fulminantemente aquele que representava a clara negação do seu projecto político: Menezes. Dois meses antes das eleições, o resultado das autárquicas no Porto estava traçado.

Rui Moreira era apoiante de Rio pelo menos desde 2009. Há quatro anos, quando andei em campanha, vi-o inúmeras vezes entre a multidão que pedia a reeleição do presidente. Não estava a seu lado no púlpito, mas numa posição reservada, sempre atrás. Muitos dos que então acompanhavam Rio no palanque estiveram este ano de braço dado com Menezes, numa candidatura que, como disse à RTP, era tudo aquilo que ele não queria para a cidade. Se Moreira não tivesse avançado para estas eleições e Rui Rio tivesse, ainda assim, declarado o seu repúdio à candidatura de Menezes, o resultado de Domingo teria sido facilmente adivinhável: Manuel Pizarro era hoje o novo presidente da Câmara do Porto. Nem me espantaria se, nesse cenário remediado, o CDS aparecesse a manifestar o apoio à candidatura do PS. Eu, pelo menos, teria votado Pizarro.

Moreira conquistou o lugar de sucessor político de Rio quando subiu à presidência da SRU e quando assumiu como discurso e prioridades aquelas que o autarca prosseguira em doze anos de mandato. Teve o bom senso de corrigir as tricas de Rio com a comunicação social, promoveu a cultura a nova bandeira (conservando a reabilitação do centro histórico e o investimento nos bairros sociais), fez uma campanha autárquica moderada e – talvez a palavra mais desprezada por Menezes – local. Moreira fez tudo bem (de resto, como Pizarro). Mas a vitória é de Rio. Caso vença daqui a quatro anos, Moreira poderá, então, reclamar todo o mérito para si. Como Rio o fez em 2005, depois de Fernando Gomes lhe ter oferecido a Câmara em 2001.

Rui Moreira é uma pessoa estimável no Porto, imagem de uma elite benevolente e útil (porque ligada ao tecido empresarial, numa cidade que nunca pôde depender do Estado) que compreende os problemas quotidianos da cidade — inclusive, os problemas do “povo”, segundo aquela abjecta dicotomia vincada por Menezes até ao vómito. Querendo parecer simultaneamente erudito e popular, Menezes hostilizou as elites da cidade e presenteou os bairros (o povo cristalizado) com o mais foleiro folclore propagandístico. Por se dizer apreciador de Verdi e de Nel Monteiro, de Antonioni e da Casa dos Segredos, assim justificando o amplo apoio social do seu movimento, Menezes fez-se candidato de ninguém senão de estereótipos de telenovela.

O outro pilar eleitoral de Menezes foi o discurso da omnipotência do presidente de Câmara. Desprezando o bom senso e toda a sensibilidade dos eleitores, Menezes exibiu-se de pérolas falsas e lantejoulas a uma plateia que todos os dias ouve na televisão o toque fúnebre das políticas de austeridade. Para Menezes, é o investimento público que deverá tirar a cidade da crise. Não qualquer investimento público, mas aquele que por mais conspícuo e simbólico fizesse do seu reinado no Porto um arco triunfal de iluminados ditames pessoais. A acção pública que os eleitores reclamam é aquela que mais sofrimento alivia. A rentabilidade do investimento, nestes casos, mede-se pela melhoria de bem-estar social, mede-se pelo alento que os mais necessitados tiram da ajuda do Estado. Se o dinheiro é escasso, ninguém achará que um heliporto ou uma feira popular serão mais prementes que, por exemplo, a recuperação das escolas ou a boa gestão da habitação social.

Por isso engana-se quem via no programa de Menezes a voz da Direita. A sua sede dirigista e o seu paternalismo maníaco são o que de pior tem a Esquerda, aquilo que nenhuma Esquerda hoje tem sequer. Não há já lugar campanhas destas. É, aliás, inútil enquadrar o seu programa no espectro político. Mais valia adaptá-lo a uma saga de literatura fantástica.

Rui Rio legou à cidade a linha oposta: moderação, definição de prioridades, realismo no âmbito de acção. As suas disputas pessoais na Câmara serão sempre lembradas — Moreira teve-as em conta quando se demarcou claramente delas. Mas a força política dos seus mandatos vem da tríade referida. Os eleitores sabem pesar as coisas.

Em 2013, é Rio quem, no Porto, reúne maior capital político. A cidade não está disposta a largar os doze anos de boa gestão autárquica. Rui Rio deu a sua confiança a Moreira. Os eleitores reagiram positivamente, vendo um sucessor à altura, capaz de introduzir um cunho pessoal na continuação do projecto de Rio para a cidade. Tenho a convicção que Rui Moreira será um excelente presidente da Câmara. Mas, até o provar no terreno, deverá orgulhosamente encarar-se como o primeiro rioísta depois de Rio. O primeiro de muitos, espero.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s